Avaliação da técnica de imunocromatografia para análise de drogas de abuso no contexto da química forense

G.A.T. Pinto, L.G. Freitas, Y. Machado, Pablo Alves Marinho

Resumo


O uso abusivo de drogas é um problema de saúde pública mundial  que leva a graves consequências sociais e principalmente na saúde dos usuários. A prevalência da utilização de drogas pela população em geral vem aumentando consideravelmente. Deste modo, as análises químicas em drogas de abuso apresentam importância crucial para materialização do delito. A imunocromatografia é uma técnica de triagem, rápida, de fácil execução, dispensa o uso de reagentes adicionais, equipamentos e técnicos especializados, sendo bastante utilizada para a detecção de drogas em fluidos biológicos, mas carece de estudos para sua utilização em análises de drogas apreendidas. Sendo assim, o presente estudo aborda os aspectos analíticos da técnica de imunocromatografia, avaliando a eficiência desta técnica para a análise de drogas de abuso no contexto da química forense. Para o presente estudo as amostras sugestivas de maconha, cocaína e ecstasy (MDMA) apreendidas pela Polícia Civil de Minas Gerais foram analisadas por imunocromatografia e comparadas com outras técnicas como testes colorimétricos e análises instrumentais (FT-IR, GC-MS e LC-MS/MS). Parâmetros como taxas de falsos resultados, sensibilidade, seletividade e confiabilidade foram calculados utilizando tabelas de contingência. A imunocromatografia apresentou em média taxas de sensibilidade e seletividade de 94% e 75%, respectivamente. A menor confiabilidade constatada para análise de comprimidos de ecstasy deve-se principalmente ao grande número de resultados falso-positivos para MDMA, uma vez que essa técnica é pouco seletiva para essa substância, detectando diversas outras substâncias análogas. Portanto, a imunocromatografia se mostrou eficiente para a triagem de drogas apreendidas, uma vez que apresentou adequada sensibilidade e seletividade para drogas como maconha e cocaína e possibilidade de detectar outras drogas sintéticas além do ecstasy, as quais possivelmente não seriam detectadas pelos testes colorimétricos rotineiramente empregados pelos Peritos Criminais de campo.


Palavras-chave


Imunocromatografia; Drogas de Abuso; Química Forense.

Texto completo:

PDF

Referências


M.S. Gomes. Contributo da Química Forense na Detecção de Drogas de Abuso. Dissertação de Mestrado, Departamento de Química e Bioquímica, Universidade de Lisboa, 2013.

W.R. Romão, N.V. Schwab, M.I.M.S. Bueno, R. Sparrapan, M.N. Eberlin, A. Martiny, B.D. Sabino, A.O. Maldaner. Química forense: perspectivas sobre novos métodos analíticos aplicados à documentoscopia, balística e drogas de abuso. Quím. Nova 34(10), 1717-1728, 2011.

S.O.S. Cazenave, A.A.M. Chasin. Análises toxicológicas e a questão ética. Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade 2(2), 5-17, 2009.

S.A. Odo, A.C. Araujo, A.F. Santos, F.C.P. Toledo, M. Yonamine, O.A. Silva, M.C. Leite. Indications and limits for the toxicological analysis for psychoactives substances. Rev. Psiquiatr. Clín. 27(1), 50-56, 2000.

J.A. Velho, G.C. Geiser, A. Espindula. Ciências Forenses - uma Introdução às Principais Áreas da Criminalística Moderna. Millennium editora, 173-198, 2013.

A.A.M. Chasin. Toxicologia Analítica - Ciências farmacêuticas. Guanabara Koogan. Brasil, 70-75, 2001.

A.T. Bruni, J.A. Velho, M.F. Oliveira. Fundamentos de Química Forense – uma análise prática da química que soluciona crimes. Millennium editora, 18-31, 2012.

T.B. Aiello. Análise toxicológica forense: da ficção científica à realidade. Revista Eletrônica de Biologia, 4(3), 1-30, 2011.

United Nations. Rapid testing methods of drugs of abuse - manual for use by national law enforcement and narcotics laboratory personnel. New York, 1994.

A. Diehl. Screenings para álcool e drogas – Uma prova de confiança. Tratamentos Farmacológicos para Dependência Química – Da evidência científica à Prática Clínica, Artmed, 375-386, 2010.

R. Wenning, M.R. Moeller, J.M. Haguenoer, A. Marocchi, F. Zoppi, B.L. Smith, R. de la Torre, C.A. Carstensen, A. Goerlach-Graw, J. Schaeffler, R. Leinberger. Development and evaluation of immunochromatographic rapid tests for screening of cannabinoids, cocaine, and opiates in urine. J. Anal. Toxicol. 22(2), 148-155, 1998.

M.N. Hochmeister, B. Budowle, O. Rudin, C. Gehrig, U. Borer, M. Thali, R. Dirnhofer. Evaluation of prostate-specific antigen (PSA) membrane test assays for the forensic identification of seminal fluid. J. Forensic Sci. 44(5), 1057-1060, 1999.

B.C Pang, B.K. Cheung. Identification of human semenogelin in membrane strip test as an alternative method for the detection of semen. Forensic Sci. Int.169(1), 27-31, 2007.

P. Longo, C.R. Dias Filho, M.P.O. Valadares , E.C. Alonso, S.P.S. Gonçalves, E. Auler-Bittencourt. Avaliação comparativa de teste imunocromatográfico para identificação forense de sangue humano. Rev. Bras. Crimin. 1(1), 16-21, 2011.

J.B. Old. Developmental validation of RSID-saliva: a lateral flow immunochromatographic strip test for the forensic detection of saliva. J. Forensic Sci. 54(4), 866-873, 2009.

P.O. Boehl. A utilização de imunoensaios na detecção de substâncias psicoativas. Trabalho de Conclusão de Curso, Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.

C.Z. Gondim, R.G. Junqueira, S.V.C. Souza. Tendências em validação de métodos de ensaios qualitativos. Rev. Inst. Adolfo Lutz 70(4), 433-447, 2011.

D.C. Bordin, M. Messias, R. Lanaro, S.O.S. Cazenave, J.L. Costa. Análise forense: pesquisa de drogas vegetais interferentes de testes colorimétricos para identificação dos canabinóides da maconha (Cannabis Sativa L.). Quím. Nova 35(10), 2040-2043, 2012.

A.O. Alves, B. Spaniol, R. Linden. Canabinoides sintéticos: drogas de abuso emergentes. Rev. Psiquiatr. Clín. 39(4), 142-148, 2012.

E.J. Magalhães, C.C. Nascentes, L.S. Pereira, M.L. Guedes, R.A. Lordeiro, L.M. Auler, R. Augusti, M.E. Queiroz. Evaluation of the composition of street cocaine seized in two regions of Brazil. Sci. Justice 53(4), 425-432, 2013.

A. Larocque, R.S. Hoffman. Levamisole in cocaine: unexpected news from an old acquaintance. Clin. Toxicol. (Phila) 50(4), 231-241, 2012.

S.F. Lapachinske, G.G. Okai, A. dos Santos, A.V. de Bairros, M. Yonamine. Analysis of cocaine and its adulterants in drugs for international trafficking seized by the Brazilian Federal Police. Forensic Sci. Int. 247, 48-53, 2015.

A.R. Fukushima, V.M. Carvalho, D.G. Carvalho, E. Diaz, J.O. Bustillos, H.S. Spinosa, A.A. Chasin. Purity and adulterant analysis of crack seizures in Brazil. Forensic Sci. Int. 243, 95-98, 2014.

M.Passagli. Toxicologia Forense: Teoria e Prática. Millennium Editora, 133-191, 2013.

L.R. Togni, R. Lanaro, R.R. Resende, J.L. Costa. The variability of ecstasy tablets composition in Brazil. J Forensic Sci. 60(1), 147-151, 2015.

United Nations Office on Drug and Crime. Legal response to NPS: multiple approaches to a multi-faceted problem, 2015.

United Nations Office on Drug and Crime. The challenge of new psychoactive substances, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v4i3.105

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.