Crimes Ambientais registrados pela Polícia Civil no Distrito Federal: uma análise entre os anos de 2009 e 2015

Renata Esteves Ribeiro

Resumo


Estatísticas criminais constituem parte importante da atividade policial. A adoção de ferramentas mais adequadas a cada conjunto de dados pode fornecer informações úteis para a ação da polícia na sua função de apuração das infrações penais. Este trabalho tem como objetivos: i) caracterizar os registros de crimes ambientais no Distrito Federal, identificando particularidades nos dados e ii) identificar possíveis associações entre as variáveis avaliadas. Os dados não sigilosos dos crimes ambientais registrados pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) entre os anos 2009 e 2015 foram avaliados por meio de estatística descritiva e Análise de Componentes Principais. Entre as 4.085 ocorrências registradas, 39,2% referem-se a crimes de dano a Unidades de Conservação, 33,7% a crimes contra o ordenamento urbano e o patrimônio cultural, 25,2% a crimes contra a fauna, 1,8% a crimes contra a flora e 0,1% a crimes de poluição. Ceilândia apresentou o maior número absoluto de ocorrências (417), sendo caracterizada pelos crimes contra fauna, contra o ordenamento urbano e crimes de dano a Unidades de Conservação, enquanto a Delegacia Especial de Proteção ao Meio Ambiente e à Ordem Urbanística (Dema) foi responsável pela maioria das ocorrências (752) registradas pelas delegacias. As associações encontradas entre os tipos penais da Lei de Crimes Ambientais e algumas Regiões Administrativas e Delegacias de Polícia são explicadas por singularidades regionais.


Palavras-chave


Crimes ambientais; Polícia Civil do Distrito Federal; Análise Descritiva; Análise de Componentes Principais

Texto completo:

PDF

Referências


V. P. de Freitas. Contribuição da lei de crimes ambientais na defesa do meio ambiente. Rev. Cent. Est. Jur. 33, 5-15, 2006.

Brasil. Constituição Federal. In: O. Medauar (org.). Coletânea de Legislação Ambiental. Revista dos Tribunais, Brasil, 100-101, 2015.

C. L. A. Rocha. Princípios constitucionais de direito ambiental. Rev. Assoc. Jz. Fed. Brasil 21(74), 41-72, 2003.

United Nations. Report of The United Nations Conference on Environment and Developmen (1992). Retirado em 21/09/2016, de http://www.un.org/documents/ga/conf151/aconf15126-1annex1.htm

E. Milaré. Direito do meio ambiente: a gestão ambiental em foco, Revista dos Tribunais, Brasil, 121, 2011.

Brasil. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. In: O. Medauar (org.). Coletânea de Legislação Ambiental. Revista dos Tribunais, Brasil, 385-396, 2015.

Vic A. C., Gatrell; T. B., Hadden. Criminal statistics and their interpretation. In: E. A. Wrigle (ed.) Nineteenth-century society: essays in the use of quantitative methods for the study of social data. Cambridge University Press, United Kingdom, 336-362, 1972.

A. L. V. de Azevedo; V. Riccio; M. A. Ruediger. A utilização das estatísticas criminais no planejamento da ação policial: cultura e contexto organizacional como elementos centrais à sua compreensão. Ciência da Informação. 40(1), 9-21, 2011.

G. A. D. Soares. Não Matarás: desenvolvimento, desigualdade e homicídios. FGV, Brasil, 130-134, 2008.

L. Musumeci. Estatísticas de Segurança: para que servem e como usá-las. In: S. Ramos; A. Paiva (Org.). Mídia e Violência: tendências na cobertura de criminalidade e segurança no Brasil. IUPERJ, Brasil, 151-168, 2007.

W. G. Skogan. Dimensions of the dark figure of unreported crime. Crime & Delinquency 23(1), 41-50, 1977.

A. D. Biderman et al. On exploring the" dark figure" of crime. The Annals of the American Academy of Political and Social Science 374(1), 1-15, 1967.

P. Legendre, L. Legendre. Numerical ecology: Developments in Environmental Modelling. Elsevier, United Kingdom, 450, 2012.

T. B. B. da Silva; R. S. Corrêa. Comparação entre métodos de valoração de danos ambientais para fins periciais. Rev. Bras. Crimin., 4(3), 7-14, 2015.

B. Ahamad. An Analysis of Crimes by the Method of Principal Components. Journal of the Royal Statistical Society. Series C (Applied Statistics) 16(1), 17-35, 1967.

A. Hirschfield; M. Birkin; C. Brunsdon; N. Malleson; A. Newton. How places influence crime: The impact of surrounding areas on neighbourhood burglary rates in a British city. Urban Stud. 51(5), 1057-1072, 2013.

CODEPLAN. Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios – PDAD (2013/2014). Retirado em 21/09/2016, de http://www.codeplan.df.gov.br/portal-da-codeplan/261-pesquisas-socioeconomicas/294-pdad-2013.html

UNESCO. Inscriptions on the World Heritage List -Decision CONF 005 VII.A. (1987). Retirado em 21/09/2016, de http://whc.unesco.org/archive/1987/sc-87-conf005-9_e.pdf.

BRASIL. Iphan. Portaria Nº 314, de 08/10/1992. Consulta em 22/09/2016, de http://portal.iphan.gov.br/uploads/legislacao/Portaria_n_314_de_8_de_outubro_de_1992.pdf.

V. L. M. Sandanielo. Emprego de técnicas estatísticas na construção de índices de desenvolvimento sustentável aplicados a assentamentos rurais. Tese de Doutorado, Faculdade de Ciências Agronômicas – Campus de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v6i1.145

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.