Análise de laudos periciais correspondentes a vítimas de estupro em Mato Grosso do Sul

Renata Di Martini Paulino, Thelma da Silva Conceição, Daniele Decanine

Resumo


O objetivo deste trabalho foi realizar uma análise comparativa de laudos oriundos do Instituto de Análise Laboratoriais Forense – IALF, pertencente à Coordenadoria Geral de Perícia do Mato Grosso do Sul em Campo Grande, a fim de observar a presença de vestígio de esperma encontrado nas vestimentas e nas coletas realizadas por meio de suabes de vítimas de estupro. Foram analisados 895 laudos do período de 2012 a 2015. Os testes estatísticos foram realizados por meio do programa Graphpad Prism 6.0 e os resultados expressos pela diferença entre as médias. A percentagem de amostras positivas oriundas dos exames realizados apenas nas vestes foi estatisticamente significante em relação aos exames realizados nos suabes (p = 0,0063), bem como os outros locais de coleta (p = 0,0031). As coletas realizadas por suabes foram as que apresentaram menor positividade para a presença de esperma, demonstrando que muito embora seja o método de coleta mais utilizado, ele não seria o mais indicado para a recuperação do material biológico. Todavia, embora tenha sido possível avaliar um número maior de amostras positivas quando havia laudo conjunto de vestes e suabes, estes não apresentaram diferença estatisticamente significante quando comparado às amostras de suabes sozinhas (p = 0,0528). Diante das análises, podemos concluir que o suabe sozinho não apresenta uma boa perspectiva de recuperação dos fluidos seminais. Desta forma, recomenda-se que nos casos de crimes sexuais, as vítimas, sempre que possível, devem se submeter ao exame de corpo de delito, apresentando as vestes que utilizava no momento do fato.


Palavras-chave


PSA; Teste imunocromatográfico; Material biológico

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Decreto-lei nº 12.015, de 07/08/2009. Dos crimes contra a dignidade sexual. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil03/ato20072010/2009/lei/l12015.htm. Acesso em: 03/08/2016.

R.M.O.M. Carvalho. Crimes contra a Liberdade Sexual: A relevância da perícia Médico-Legal e Forense. Dissertação de Mestrado, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto; Porto, Portugal, junho, 2012.

J. Drezett; L. Junqueira; R. Tardelli; I. P. Antônio; H. M. Jr; M.A.F. vertamatti; R. M. Pimentel; L. C. Abreu. Influência do exame médico-legal na responsabilização do autor da violência sexual contra adolescentes. Rev. Bras. Crescimento Desenvolv. Hum. 21, 189-197, 2011.

T.C.L. Rocha; J.C.N. Torres; A.C.M. Sobreira; S.M.V. Brasil; I.A. Cavalcante; V.H.M. Alencar. A importância da coleta de material peniano do suspeito em casos de crimes sexuais: Um relato de caso. Saúde, Ética & Justiça 18, 45-49, 2013.

J.K.L. Souza; A.P.S. Gomes; J.G.C. Cardoso. Crime Sexual: Enfoque em medicina legal. Anais do Conic-Semesp. 1-4, 2013.

M.P. Bueno; T.Y.C. Massuda. Análise de interferentes na detecção de PSA para aplicação forense. Cadernos da Escola de Saúde 12, 66-73, 2014.

P.R. Silveira. Sexologia Forense. Revista de Criminologia e Ciências Penitenciárias 4, 1-9, 2013.

T.M. Dias; E.D. Joaquim. O problema da prova nos crimes contra a dignidade sexual. Revista JurisFIB IV, 291-310, 2013.

J.M. Sousa; M.M. Queiroz. Coleta e preservação de vestígios biológicos para análises criminais por DNA. Ensaios e Ciência Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde 16, 99-115, 2012.

I.M. Cândido; L.S.A. Bezerra; M.F. Mota; N.M.O. Godinho; R.S.S. Barcelos. Nova possibilidade de coleta de material biológico em vítima de crime sexual. Revista de Criminologia e Ciências Penitenciárias; 4, 1-8, 2014.

M.C.T. Sawaya; M. R. S. Rolim. Antígeno específico da próstata em fluidos biológicos: aplicação forense prostate-specific antigen in biologics fluids: forensic aplication; Visão Acadêmica 5, 109-116, 2004.

P.B.T. Piza, Análise genética dos vestígios de crimes sexuais. Dissertação de Mestrado, Programa de mestrado em genética, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2012.

I.M. Cândido; F.C Alves; K.M. Borba; L.F Souza. Uso da análise qualitativa do antígeno prostático especifico (PSA) como ferramenta na prática forense. NewsLab 113, 120-124, 2012.

J.A. Vaz. Metodologias de detecção de vestígios biológicos forenses. Dissertação de Mestrado, Departamento de Biologia, Universidade de Aveiro, 2008.

M. C. T. Sawaya; M. R. S. Rolim. Manual prático de medicina legal no laboratório, Juruá editora, 2003.

K.L. Támara; Reconocimiento e identificación de manchas de semen en diferentes soportes de interés forense. Primera edición digital, 14-16, 2013.

Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul (SEJUSP), estatística on-line; Disponível em: http://estatistica.sigo.ms.gov.br/ Acesso em: 05/12/2016.

V.S. Stange. Utilização de marcadores moleculares do cromossomo y para detecção de DNA masculino em vítimas de violência sexual no estado do espírito santo. Dissertação de Mestrado, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Espírito Santo, 2014.

E.D. Joaquim. A perícia nos crimes de estupro de vulnerável praticados sem violência física. Revista JurisFIB V, 315-340, 2014.

C.J.D.C. Silva. Os enfermeiros e a preservação de vestígios perante vítimas de agressão sexual, no serviço de urgência. Dissertação de Mestrado, Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar, Universidade do Porto, 2010.

M.H.F. Ekert; N.C.L. Oliveira; C.A. de Souza; S.M. Santos; D.B.G. Martins; J.L.L. Filho. DNA forense aplicado na identificação de vítimas de crimes em Pernambuco, Brasil. Rev. Bras. Crimin. 5(2), 14-17, 2016.

A.R. Paes; I. Ribeiro. Importância do DNA Forense para a Biologia Moderna: Uma Revisão. Ensaios Cienc. Cienc. Biol. Agrar. Saúde 20, 30-37, 2016.

D. Decanine. O papel de marcadores moleculares na genética forense. Rev. Bras. Crimin. 5(2), 18-27, 2016.

I.M. Magalhães; D.M. Silva. Informações aceca de marcadores moleculares uniparentais: DNA mitocondrial e cromossomo Y. Estud. Biol. 28, 81-88, 2006.

V.S. Leite; M.I.K.M. Batista; M.V.D. Carvalho, A.P.V. Sobral. Uso das técnicas de biologia molecular na genética forense. Derecho y Cambio Social I, 1-18, 2013. [26] K. De Paula. Análise molecular com Y- STRs em amostras biológicas sem espermatozoides coletadas de vítimas de estupro. Dissertação de mestrado, Ciências Genômicas e Biotecnologia, Universidade Católica de Brasília, 2012.

M.M. Queiroz. O uso do DNA na investigação policial. Revista de Direito XI, 255-259, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v6i2.174

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.