Influência do revestimento de ambientes na acústica de disparos de armas de fogo

Victoria Sofia Maia Araújo, Shirlene Kelly Santos Carmo, Rogério de Jesus Santos

Resumo


O crescimento no número de empreendimentos da sociedade moderna provoca um aumento no emprego da alvenaria, uma vez que a mesma é um dos principais componentes de uma edificação. A alvenaria apresenta inúmeras funções, entre as quais se destacam a de resistir a cargas, impactos, resistir à ação do fogo, e proporcionar o conforto acústico, este último considerado como aspecto fundamental em uma edificação, principalmente por garantir a qualidade de vida e bem-estar das pessoas. Para atender a tal requisito, é necessária a implantação de materiais com características isolantes na alvenaria, o que garante o isolamento acústico do ambiente. Nessa perspectiva, o presente trabalho visa averiguar a eficácia de um revestimento feito com materiais isolantes do tipo placas de isopor e caixas de ovos, no intuito de comparar o seu isolamento acústico com o dos outros materiais mais convencionais utilizados nas construções. Para tanto, foram realizados ensaios de tiro, com uma pistola semiautomática de calibre .38, com munição .380 auto etog 95gr, medidos com a ajuda de um decibelimetro, para quantificar assim a intensidade sonora transmitida pela arma em cada disparo. Os ruídos foram medidos tanto no ambiente interno da sala como no externo, com a presença e ausência de revestimento, a fim de obter a transmissão do mesmo para outros compartimentos. A partir do ensaio foi possível comparar as medições, obtendo uma redução de 17.4 dBa no ambiente interno e 20.4 dBa no ambiente externo, comprovando satisfatoriamente, a capacidade de isolamento acústico dos materiais em questão.

Palavras-chave


Isolamento Acústico; Arma de Fogo; Alvenaria; Ciências Forenses; Química Forense

Texto completo:

PDF

Referências


C.A. Tauil, F.J.M. Nese. Alvenaria estrutural. São Paulo, Brasil: Pini, 2010.

A.K. Abiko, S.W. Ornstein. Inserção urbana e avaliação pós-ocupação (APO) da habitação de interesse social. Rio de Janeiro: FAUUSP, 2002.

R.E. Catai, A.P. Penteado, P.F. Dalbello. Materiais, técnicas e processos para isolamento acústico. In: Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, 17., 2006, Foz do Iguaçu. Foz do Iguaçu/PR. p. 4205 – 4216, 2006.

Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). Guia orientativo para atendimento à norma ABNT NBR 15575/2013. 2. ed. Brasília, 2013.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 10152: Níveis de ruído para conforto acústico. Rio de Janeiro: 4 p, 1987.

A.P. Silva, et al. Avaliação do perfil auditivo de militares de um quartel do Exército Brasileiro. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia 70(3), 344-350, 2004.

A.F.P. Temmel, A.C. Kierner, M. Steurer, S. Riedl, J. Innitzer. Hearing loss and tinnitius in acute acoustic trauma. Wien Klin Wochenschr 111(21), 891-893, 1999.

L.P. Bastos, G.S.V. Melo, E.F. Vergara. Materiais não-convencionais utilizados para controle de ruídos: Mito ou Realidade. In: Encontro da Sociedade Brasileira de Acústica, 24., 2012. Pará. Anais. Pará, 88-96, 2012.

V.H.R. Carvalho. Ruídos de Percussão em Salas de Aula: O caso da FEUP. 2015. 106 f. Dissertação de Mestrado - Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Porto, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v7i2.191

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.