As principais alterações do Código Florestal Brasileiro

Ariana do Rosário Rodrigues, C J Matavelli

Resumo


Na década de 1960, com o surgimento dos movimentos ambientalistas, a concepção da relação entre o homem e os recursos naturais – que até o período da sociedade industrial era baseado na ideia da inesgotabilidade dos recursos – passou a ser considerado como um processo que gera, além de matérias primas, benefícios e melhorias para a qualidade de vida do homem. No entanto, no ano 1934 surgiu o primeiro Código Florestal Brasileiro, editado através do Decreto Federal nº 23.793 no governo de Getúlio Vargas, este código foi reformulado em 1965 dando origem a Lei Federal n° 4.771/1965. Em 2012, após acirradas discussões entre ambientalistas e ruralistas, foi editada outra versão do Código Florestal Brasileiro, sob a Lei n. 12.651 de 25 de maio de 2012. A modificação da legislação fragilizou a proteção do meio ambiente, diminuindo o padrão de proteção ambiental proporcionado pela Lei anterior, o que contrariou as obrigações constitucionais impostas ao Poder Público para assegurar a efetividade do direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. As mudanças no Código Florestal Brasileiro deveriam caminhar no sentido de modernizá-lo e aperfeiçoá-lo à luz dos avanços científicos acerca da preservação da natureza, do desenvolvimento sustentável e de ampliação da educação ambiental dos produtores e da população em geral. Mas o que foi aprovado pelo Congresso é um convite à impunidade e representa uma drástica flexibilização da legislação ambiental. O presente estudo tem como objetivo apresentar as recentes alterações do Novo Código Florestal Brasileiro e seus impactos para o meio ambiente e para a sociedade.

Palavras-Chave: Código Florestal; Impactos; Meio Ambiente.


Palavras-chave


Código Florestal; Impactos; Meio Ambiente

Texto completo:

PDF

Referências


ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental/Seção São Paulo. Impactos das alterações no código florestal. São Paulo, maio de 2012. Retirado em: 07/12/2017, de http://abes-sp.org.br/arquivos/impacto_alt_codflorestal.pdf.

S. Sauer; F. C. França. Código Florestal, Função Socioambiental da Terra e Soberania Alimentar. Caderno CRH, Salvador, v. 25, n. 65, p. 285-307, Maio/Ago. 2012.

B. Soares-Filho. Impacto da Revisão do Código Florestal: Como Viabilizar o Grande Desafio Adiante. Retirado em: 26/12/2017, de https://www.socioambiental.org/sites/blog.socioambiental.org/files/nsa/arquivos/artigo-codigo-florestal_britaldo_soares_sae_2013pdf.pdf.

G. Sparovek; A. Barretto; I. Klug; L. Papp; J. A. Lino. Revisão do código florestal brasileiro. Novos estudos CEBRAP, 2011.

Decreto no 23.793, de 23 de janeiro de 1934. Retirado em: 30/10/2017, de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1930-1949/D23793.htm.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Conselho Florestal Federal. Código Florestal. Florianópolis: Imprensa Oficial do Estado, 1949.

B. da C. R. V. Fonseca. As Principais Alterações do Novo Código Florestal Brasileiro. Rio de Janeiro, 2012.

E. O. Praes. Código florestal brasileiro: evolução histórica e Discussões atuais sobre o novo código florestal. Retirado em: 30/10/2017, de http://educonse.com.br/2012/eixo_19/PDF/20.pdf.

G. J. P. de Figueiredo; M. D. Leuzinger. Anotações acerca do Processo Legislativo de Reforma do Código Florestal. 2011. Retirado em: 14/12/2017, de http://egov.ufsc.br/portal/conteudo/anota%C3%A7%C3%B5es-acerca-do-processo-legislativo-de-reforma-do-c%C3%B3digo-florestal.

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965. Retirado em: 16/11/2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4771.htm.

SOSFLORESTAS, Cartilha: O Código Florestal em perigo. Código Florestal: Entenda o que está em jogo com a reforma da nossa legislação florestal. 2011.

P. de B. Antunes. Direito ambiental. 12. Ed. Rio de Janeiro: Lumen Jures, 2009.

P. de B. Antunes. Estaria revoado o Art. 2º do Código Florestal Artigo Publicado no site OEco em10.08.09. Retirado em: 30/10/2017, de http://www.oeco.com.br/paulo-bessa/22269-estaria-revogado-o-artigo-2o-do-codigoflorestal.

L. G. S. Lazzarini. Cinco anos de vigência do “Novo Código Florestal”. São Paulo. 2017. Retirado em: 20/11/2017, de http://sites.usp.br/oficinadedireitoambiental/cinco-anos-de-vigencia-novo-codigo-florestal/.

A. P. M. da Silva; H. R. Marques; R. H. R. Sambuichi. Mudanças no código florestal brasileiro: Desafios para a implementação da nova lei. Intituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA. Rio de Janeiro, 2016. Retirado em: 20/11/2017, de http://www.ipc-undp.org/pub/port/JP009PT_Mudancas_no_Codigo_Florestal_Brasileiro.pdf.

LEI Nº 12.651, DE 25 DE MAIO DE 2012. Retirado em: 20/12/2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/L12651compilado.htm.

R. T. do Valle. O perigo de se anular o código florestal. Editora Paulinas. São Paulo, 2011.

SENADO FEDERAL. O que são as áreas de preservação permanente? Retirado em: 19/12/2017, de

https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2009/04/29/o-que-sao-as-areas-de-preservacao-permanente

EMBRAPA, Código Florestal: Adequação ambiental da paisagem rural. 2016. Retirado em: 19/12/2017, de https://www.embrapa.br/codigo-florestal

B. A. Penha. O efeito das alterações do novo Código Florestal na preservação ambiental. Curitiba, 2015.

J. M. de S. Nascimento; F. Vale. O Impacto do Novo Código Florestal Brasileiro no Meio Ambiente e na Biodiversidade: Uma Análise Ética. Retirado em: 07/12/2017, de http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahumus/article/view/4165.

P. L. P. Fernandes. Novo Código Florestal Federal - MPGO. Goiânia, 2012.

V. H. Laurindo; D. Gaio. As Áreas de Preservação Permanente do Novo Código Florestal e o Princípio da Proibição de Retrocesso Ambiental. Retirado em: 26/12/2017, de http://anpur.org.br/app-urbana-2014/anais/ARQUIVOS/GT3-172-31-20140518123512.pdf.

J. A. A. Silva; A. D. Nobre; C. V. Manzatto; C. A. Joly; R. R. Rodrigues; L. A. Skorupa; C. A. Nobre; S. Ahrens; P. H. May; T. D. A. Sá; M. C. Cunha; E. L. Rech Filho. O Código Florestal e a Ciência: contribuições para o diálogo. São Paulo: Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, SBPC; Academia Brasileira de Ciências, ABC. 2011. 124 p.

I. Valente. Novo Código Florestal Brasileiro: Meio ambiente e biodiversidade brasileira desprotegidos. Brasília, 2012. Retirado em: 31/10/2017, de http://www.ivanvalente.com.br/wp-content/uploads/2012/12/Caderno-novo-Codigo-Florestal-dez-2012.pdf.

T. Diniz; J. B. F. Filho. Impactos Econômicos do Código Florestal Brasileiro: uma discussão à luz de um modelo computável de equilíbrio geral. Retirado em: 07/12/2017, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20032015000200229.

J. R. M. Leite; P. de A. Ayala. Dano Ambiental - do individual ao Coletivo extrapatrimonial. Teoria e Prática. 5. Ed. São Paulo: Revista




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v9i1.300

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.