Avaliação dos exames toxicológicos referentes a atividade de motoristas profissionais conforme Lei nº 13. 103

Rafaela Silveira, Daiane Guedes Domingues, Alexandre Ehrhardt

Resumo


O uso de substâncias psicoativas é considerado um importante fator para a ocorrência de acidentes de trânsito. Além do álcool, drogas ilícitas como cocaína, anfetaminas e maconha são utilizadas pelos motoristas. Este estudo teve como objetivo avaliar o perfil de uso de substâncias psicoativas por motoristas profissionais. Trata-se de um estudo descritivo de caráter documental, por meio de avaliação retrospectiva das planilhas de registro de todos os motoristas que foram submetidos ao exame toxicológico, coletado em um laboratório de análises clínicas na cidade de Ibirubá/RS, no período de Março de 2016 a Outubro de 2017. Dos 980 laudos analisados, 19 (1,94%) apresentaram resultados positivos para uma ou mais drogas pesquisadas e/ou seus metabólitos, dos quais 63% foram resultados positivos para cocaína, 7% para maconha e 30% para opiáceos. O estudo indicou uma prevalência de resultados positivos para cocaína e uma ausência de positividade para compostos anfetamínicos. O exame toxicológico de larga janela de detecção tem com o intuito minimizar os riscos dos motoristas no trânsito, contribuindo assim, para a diminuição do número de acidentes e atos imprudentes.

Palavras-chave


Drogas ilícitas; Psicotrópicos, Legislação de Medicamentos; Acidentes de trânsito; Toxicologia.

Texto completo:

PDF

Referências


L.G. Oliveira, M. Yonamine, G. Andreuccetti, J.D.C. Ponce, V. Leyton. Alcohol and other drug use by Brazilian truck drivers: a cause for concern? Rev Bras Psiquiatr. 3(1), 116–117, 2012.

G.A. Junior, H.C.S. Melo, D.F. Mendes, L.D.A.M. Silva , R.F.S Oliveira, C.D.M. Gaya. Drug use by truck drivers and risk behavior on the road. Rev Epidemiol e Control Infecção. 6(4), 4–8, 2016.

BRASIL. Lei no 13.103, de 2 de março de 2015. CÂMARA DOS DEPUTADOS - Cent Doc e Informação. 2015.

C.D.R. Oliveira. Determinação de canabinóides em cabelo por microextração em fase sólida por headspace e análise por espectrometria de massa associada à cromatografia em fase gasosa. Univ São Paulo/ Fac ciências Farm.1–129, 2005.

L.N. Pantaleão. Análise toxicológica de anfetaminas e benzodiazepínicos em amostras de cabelo por cromatografia gasosa acoplada a espectrometria de massas. Univ São Paulo/ Fac ciências Farm. 01-150, 2012.

J.M.O. Gordo. O cabelo como amostra biológica em toxicologia forense: colheita, análise e áreas de aplicação. Univ Fernando Pessoa.1–87, 2013.

E.A.E. Welp, I. Bosman, M.W. Langendam, M. Totté, R.A.A. Maes, E.J.C. Van Ameijden. Amount of self-reported illicit drug use compared to quantitative hair test results in community-recruited young drug users in Amsterdam. Addiction. 98(7), 987–994, 2003.

M. Leyton, I. Boileau, C. Benkelfat, M. Diksic, G. Baker, A. Dagher. Amphetamine-induced increases in extracellular dopamine, drug wanting, and novelty seeking: A PET/[C-11]raclopride study in healthy men. Neuropsychopharmacology. 27(6), 1027–1035, 2002.

R. Bulcão, S.C. Garcia, R.P. Limberger, M. Baierle, M.D. Arbo, A.A.M. Chasin, et al. Designer drugs: Aspectos analíticos e biológicos. Quim Nova. 35(1), 149–158, 2012.

M.I.S. Domingues. Análise de cabelo – procedimentos e aplicações. Fac Fernando Pessoa. 1–53, 2015.

M.S. Gomes. Contributo da Química Forense na Detecção de Drogas de Abuso. Univ Lisboa.1–112, 2013.

D. Kraychete, J. Siqueira, J. Garcia. Recomendações para uso de opioides no Brasil: Parte I Durval. Rev Dor. 14(4), 295–300, 2013.

J.D.C. Ponce, V. Leyton. Illegal drugs and the traffic: A problem rarely discussed in Brazil. Rev Psiquiatr Clin. 35(SUPPL. 1), 65–69, 2008.

L.G. Oliveira, L.G. Endo, D.M. Sinagawa, M. Yonamime, D.R. Munoz, V. Leyton. A continuidade do uso de anfetaminas por motoristas de caminhão no Estado de São Paulo , Brasil , a despeito da proibição de sua produção , prescrição e uso. Cad Saúde Pública. 29(9), 1903–1909, 2013.

M.J.S. Baptista. Determinação de drogas terapêuticas e não terapêuticas e de alguns metabolitos em cabelo. Univ Aveiro/ Dep Biol.1–279, 2005.

L. Tsanaclis, J.C.A. Wicks, A.A.M. Chasin. Análises de drogas em cabelos ou pêlos. RevInter. 6–46, 2011.

V.A. Masson, M.I. Monteiro. Vulnerabilidade à Doenças Sexualmente Transmissíveis/AIDS e uso de drogas psicoativas por caminhoneiros. Rev Bras Enferm. 3, 79–83, 2010.

PSYCHEMEDICS. Manual de Procedimentos de Coleta para Exame Toxicológico. PSYCHEMEDICS/Brasil. 52–77, 2017.

R.S.N. Pinho. Uso de estimulantes, queixas do sono e estado de humor em motoristas profissionais de caminhão. Univ Fed do Ceará/ Fac Farmácia. 2005.

D.M. Sinagawa. Uso de substâncias psicoativas por motoristas profissionais no Estado de São Paulo. 1- 100, 2015.

L.R.P. Sousa. A química forense na detecção de drogas de abuso. 6, 1–16, 2011

A.D.E. Araujo, N. Jorge, D.A. Silva, P.R.D.E. Melo-Reis. Eficiência do método de espectrometria de massas em drogas de abuso. Estudos. 42(4), 409–423, 2015.

D.N. Corrêa. Espectrometria de Massas Ambiente Aplicada às Ciências Forenses: Dos Documentos às Drogas de Abuso. Tese – Univ Estadual Campinas, Inst Química.1–109, 2015

O.A. Silva, J.M.D. Greve, M. Yonamine, V. Leyton. Drug use by truck drivers in Brazil. Drugs Educ Prev Policy. 10(2), 135–139, 2003.

O.H. Drummer, J. Gerostamoulos, H. Batziris, M. Chu, J.R.M. Caplehorn, M.D. Robertson, et al. The incidence of drugs in drivers killed in Australian road traffic crashes. Forensic Sci Int. 134(2–3), 154–162. 2003.

H. Gjerde, A.S. Christophersen, P.T. Normann, B.S. Pettersen, A. Sabaredzovic, S.O. Samuelsen, et al. Analysis of Alcohol and Drugs in Oral Fluid From Truck Drivers in Norway. Traffic Inj Prev. 13(1), 43–48, 2012.

F.V. Narciso, M.T. Mello. Segurança e saúde dos motoristas profissionais que trafegam nas rodovias do Brasil. Rev Saude Publica. 51, 1–7, 2017




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v9i1.321

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.