Óbitos relacionados ao uso de cocaína e cannabis no estado de Santa Catarina no ano de 2016

Liliete Canes Souza, Ana Clara Letzov Brattig, Marcos José Machado, Jair Silveira Filho

Resumo


As drogas de abuso, como a cocaína e a cannabis, representam substâncias psicoativas largamente utilizadas para fins recreativos. Verificou-se uma carência de informações referentes ao abuso de substâncias ilícitas no estado de Santa Catarina, assim como, quanto à natureza das ocorrências de mortes relacionadas ao uso de substâncias ilícitas no estado. A presente pesquisa, de cunho inédito no estado de Santa Catarina, objetivou analisar os Laudos de óbitos relacionados ao uso ilícito de cocaína e cannabis, no ano de 2016, elaborando um perfil sócio-demográfico das ocorrências. A análise feita permitiu observar que no total ocorreram 808 óbitos relacionados com o uso da cocaína e da cannabis em 25 cidades do estado, no ano de 2016. Além disto, o número de óbitos relacionados às drogas estudadas foi superior para o sexo masculino (732 casos). A faixa etária com maior número de óbitos foi de 19-30 anos (371 casos). As principais causas de mortes foram os homicídios (52% dos casos). Ademais, a cannabis foi a substância mais identificada nos casos que envolveram homens (262 casos) e para as mulheres a identificação da cocaína ocorreu na maioria dos casos (22 casos). A cannabis foi a substância com maior número de identificações para a faixa etária que correspondeu a 19-30 anos (162 casos). Joinville representou a cidade com maior número de casos de homicídios (103 casos). Florianópolis foi a cidade com maior número de óbitos associados à cannabis: (68 casos). A cannabis esteve associada à maioria de casos de homicídios (168 casos).

Palavras-chave


drogas de abuso, cocaína, cannabis, mortes violentas, Santa Catarina

Texto completo:

PDF

Referências


S. Oga, M.M.A. Camargo, J.A.O. Batistuzzo. Fundamentos de Toxicologia. Editora Atheneu, Brasil (2014) 325.

World Health Organization. Atlas on substance use (2010): Resources for the prevention and treatment of substance use disorders. WHO Library Cataloguing-in-Publication Data, Switzerland (2010). Retirado em 13/09/2018, de http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44455/1/9789241500616_eng.pdf.

S.L. Hill, S.H.L. Thomas. Drugs of Abuse. Medicine 44: 160-169 (2016).

A. Büttner. Review: The neuropathology of drug abuse. Neuropathol Appl Neurobiol, 37: 118-34 (2011).

United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC). World Drug Report 2016. United Nations Publication, Sales No. E.16.XI.7, United States of America (2016). Retirado em 13/09/2018, de http://www.unodc.org/doc/ wdr2016/WORLD_DRUG_REPORT_2016_web.pdf.

E.A. Carlini, J.C.F. Galduróz, A.R Noto, S.A. Nappo I Levantamento Domiciliar sobre uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 107 maiores cidades do país - 2001. Centro Brasileiro de Informações Sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID): Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Brasil (2002). Retirado em 13/09/2018, de http://www.cebrid.epm.br/levantamento_brasil/parte_1.pdf.

E.A. Carlini, J.C.F. Galduróz, A.A.B. Silva, A.R. Noto, A.M. Fonseca, C.M. Carlini, L.G. Oliveira, S.A. Nappo, Y.G. Moura, Z.M. Sanchez. II Levantamento domiciliar sobre uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país - 2005. Centro Brasileiro de Informações Sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID): Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Brasil (2007). Retirado em 13/09/2018, de http://www.cebrid.com.br/wp-content/uploads/2014/10/II-Levantamento-Domiciliar-sobre-o-Uso-de-Drogas-Psicotr%C3%B3picas-no-Brasil.pdf.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Relatório Brasileiro Sobre Drogas. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD), Observatório Brasileiro de Informações sobre Drogas (OBID), Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP), Brasil (2009). Retirado em 13/09/2018, de http://justica.gov.br/central-de-conteudo/politicas-sobre-drogas/relatorios-politicas-sobre-drogas/relatoriobrasileirosobredrogas-2010.pdf.

R. Laranjeira, C.S. Madruga, I. Pinsky, R. Caetano, S.S. Mitsuhiro, G. Castello. II Levantamento Nacional de Álcool e Drogas – 2012 (II LENAD – 2012). Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas de Álcool e Outras Drogas (INPAD), Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Brasil (2014). Retirado em 14/09/2018, de https://inpad.org.br/wp-content/uploads/2014/03/Lenad-II-Relat%C3%B3rio.pdf.

A.M. Fonseca, J.C.F. Galduróz; A.R. Noto; E.L.A. Carlini. Comparison between two household surveys on psychotropic drug use in Brazil: 2001 and 2004. Ciênc. Saúde Coletiva 15: 663-670 (2010).

D. Cerqueira, R.S. Lima, S. Bueno, L.I. Valencia, O. Hanashiro, P.H.G. Machado, A.S. Lima. Atlas da Violência 2017. Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada. Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Brasil (2017). Retirado em 14/09/2018, de http://olma.org.br/wp-content/uploads/2016/12/Brasil-Atlas-da-Viol%C3%AAncia-2017.pdf.

United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC). Global Study on Homicide 2013. UNODC Research and Trend Analysis Branch (RAB), Division of Policy Analysis and Public Affairs (DPA), United Nations publication, Sales No. 14.IV.1, Austria (2014). Retirado em 14/09/2018, de https://www.unodc.org/documents/gsh/pdfs/2014_GLOBAL_HOMICIDE_BOOK_web.pdf.

World Health Organization. Drug Use and Road Safety: a Policy Brief. WHO Document Production Services, Switzerland (2016). Retirado em 14/09/2018, de http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/249533/1/ WHO-MSD-NVI-2016.01-eng.pdf.

World Health Organization. Global Report on Road Safety Status 2015. WHO Library Cataloguing-in-Publication Data, Switzerland (2015). Retirado em 14/09/2018, de http://www.who.int/violence_injury_prevention/road_safety_status/2015/en/.

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Perfil Epidemiológico das Tentativas e Óbitos por Suicídio no Brasil e a Rede de Atenção à Saúde. Boletim Epidemiológico 48: 01-14 (2017). Retirado em 14/09/2018, de http://www.neca.org.br/wp-content/uploads/perfil-epidemiologico-das-tentativas-e-obitos-por-suicidio-no-Brasil.pdf.

World Health Organization. Preventing Suicide: a Global Imperative. WHO Library Cataloguing-in-Publication Data, Switzerland (2014). Retirado em 14/09/2018, de http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/131056/1/9789241564779_eng.pdf.

A.C.F Oliveira, G.M. Farias, W.A. Costa, L.A. Morais Filho, W.C.T.S. Barros. Fatores de Risco para a Ocorrência de Afogamento e a Contribuição da Enfermagem na Ação de Medidas Preventivas. FIEP Bulletin On-line 80: Special Edition, Article II (2010). Retirado em 14/09/2018, de http://www.fiepbulletin.net/index.php/fiepbulletin/article/view/1587.

Observatório de Saúde e Segurança do Trabalho 2012 – 2017. Smartlab de Trabalho Decente. Ministério Público do Trabalho (MPT), Organização Internacional do Trabalho (OIT), Faculdade de Saúde Pública da USP. Retirado em 15/09/2018, de https://observatoriosst.mpt.mp.br/.

Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT). Relatório anual de 2012: a evolução do fenômeno da droga na Europa. Serviço das Publicações da União Europeia, Luxemburgo (2012). Retirado em 16/09/2018, de http://www.emcdda.europa.eu/system/files/publications/973/TDAC12001PTC_.pdf_en.

Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (EMCDDA). Relatório Europeu sobre Drogas 2017: Tendências e evoluções. Serviço das Publicações da União Europeia, Luxemburgo (2017). Retirado em 16/09/2018, de http://www.emcdda.europa.eu/system/files/publications/4541/TDAT17001PTN.pdf_en.

C.L. ENGEL, A.C.C. PARESCHI, A.G.L. DANTAS, D.P. LIMA, D.M.M. ROMÃO, H.F. SANTOS, J.F. BARBOSA, J.L. NUNES, P.H.R. LOIOLA, R.R. SOUSA, S. FABRI, V.L. SOARES, Y.S. RODRIGUES et al. Diagnóstico dos homicídios no Brasil: subsídios para o Pacto Nacional pela Redução de Homicídios. Ministério da Justiça, Secretaria Nacional de Segurança Pública. Brasil (2015). Retirado em 16/09/2018, de http://agenciapatriciagalvao.org.br/wp-content/uploads/2015/10/RELATORIO-HOMICIDIOS-210x297mm-MJ-1.pdf.

G. J. Delaveris, B. Teige, S. Rogde. Non-natural manners of death among users of illicit drugs: Substance findings. Forensic Sci Int 238: 16-21 (2014).

Dragisic, A. Dickov, V. Dickov, V. Mijatovic. Drug Addiction as Risk for Suicide Attempts. Mater Sociomed 27: 188-91 (2015).

United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC). World Drug Report 2015. Division of Policy Analysis and Public Affairs (DPA), United Nations publication Sales No. E.15.XI.6, United States of America (2015). Retirado em 16/09/2018, de https://www.unodc.org/documents/wdr2015/World_Drug_Report_2015.pdf.

M. ASBRIDGE, J.A. HAYDEN, J.L. CARTWRIGHT. Acute cannabis consumption and motor vehicle collision risk: systematic review of observational studies and meta-analysis. BMJ 344: e536 (2012).

E.C. LEBARCH. Investigação do consumo de álcool, cocaína e crack por vítimas de homicídio na região metropolitana de Vitória - ES. Tese de Doutorado em Ciências Fisiológicas, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Espírito Santo (2017).

S. Oga, M.M.A. Camargo, J.A.O. Batistuzzo. Fundamentos de Toxicologia. Editora Atheneu, Brasil (2014) 325.

World Health Organization. Atlas on substance use (2010): Resources for the prevention and treatment of substance use disorders. WHO Library Cataloguing-in-Publication Data, Switzerland (2010). Retirado em 13/09/2018, de http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44455/1/9789241500616_eng.pdf.

S.L. Hill, S.H.L. Thomas. Drugs of Abuse. Medicine 44: 160-169 (2016).

A. Büttner. Review: The neuropathology of drug abuse. Neuropathol Appl Neurobiol, 37: 118-34 (2011).

United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC). World Drug Report 2016. United Nations Publication, Sales No. E.16.XI.7, United States of America (2016). Retirado em 13/09/2018, de http://www.unodc.org/doc/ wdr2016/WORLD_DRUG_REPORT_2016_web.pdf.

E.A. Carlini, J.C.F. Galduróz, A.R Noto, S.A. Nappo I Levantamento Domiciliar sobre uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 107 maiores cidades do país - 2001. Centro Brasileiro de Informações Sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID): Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Brasil (2002). Retirado em 13/09/2018, de http://www.cebrid.epm.br/levantamento_brasil/parte_1.pdf.

E.A. Carlini, J.C.F. Galduróz, A.A.B. Silva, A.R. Noto, A.M. Fonseca, C.M. Carlini, L.G. Oliveira, S.A. Nappo, Y.G. Moura, Z.M. Sanchez. II Levantamento domiciliar sobre uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país - 2005. Centro Brasileiro de Informações Sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID): Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Brasil (2007). Retirado em 13/09/2018, de http://www.cebrid.com.br/wp-content/uploads/2014/10/II-Levantamento-Domiciliar-sobre-o-Uso-de-Drogas-Psicotr%C3%B3picas-no-Brasil.pdf.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Relatório Brasileiro Sobre Drogas. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD), Observatório Brasileiro de Informações sobre Drogas (OBID), Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP), Brasil (2009). Retirado em 13/09/2018, de http://justica.gov.br/central-de-conteudo/politicas-sobre-drogas/relatorios-politicas-sobre-drogas/relatoriobrasileirosobredrogas-2010.pdf.

R. Laranjeira, C.S. Madruga, I. Pinsky, R. Caetano, S.S. Mitsuhiro, G. Castello. II Levantamento Nacional de Álcool e Drogas – 2012 (II LENAD – 2012). Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas de Álcool e Outras Drogas (INPAD), Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Brasil (2014). Retirado em 14/09/2018, de https://inpad.org.br/wp-content/uploads/2014/03/Lenad-II-Relat%C3%B3rio.pdf.

A.M. Fonseca, J.C.F. Galduróz; A.R. Noto; E.L.A. Carlini. Comparison between two household surveys on psychotropic drug use in Brazil: 2001 and 2004. Ciênc. Saúde Coletiva 15: 663-670 (2010).

D. Cerqueira, R.S. Lima, S. Bueno, L.I. Valencia, O. Hanashiro, P.H.G. Machado, A.S. Lima. Atlas da Violência 2017. Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada. Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Brasil (2017). Retirado em 14/09/2018, de http://olma.org.br/wp-content/uploads/2016/12/Brasil-Atlas-da-Viol%C3%AAncia-2017.pdf.

United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC). Global Study on Homicide 2013. UNODC Research and Trend Analysis Branch (RAB), Division of Policy Analysis and Public Affairs (DPA), United Nations publication, Sales No. 14.IV.1, Austria (2014). Retirado em 14/09/2018, de https://www.unodc.org/documents/gsh/pdfs/2014_GLOBAL_HOMICIDE_BOOK_web.pdf.

World Health Organization. Drug Use and Road Safety: a Policy Brief. WHO Document Production Services, Switzerland (2016). Retirado em 14/09/2018, de http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/249533/1/ WHO-MSD-NVI-2016.01-eng.pdf.

World Health Organization. Global Report on Road Safety Status 2015. WHO Library Cataloguing-in-Publication Data, Switzerland (2015). Retirado em 14/09/2018, de http://www.who.int/violence_injury_prevention/road_safety_status/2015/en/.

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Perfil Epidemiológico das Tentativas e Óbitos por Suicídio no Brasil e a Rede de Atenção à Saúde. Boletim Epidemiológico 48: 01-14 (2017). Retirado em 14/09/2018, de http://www.neca.org.br/wp-content/uploads/perfil-epidemiologico-das-tentativas-e-obitos-por-suicidio-no-Brasil.pdf.

World Health Organization. Preventing Suicide: a Global Imperative. WHO Library Cataloguing-in-Publication Data, Switzerland (2014). Retirado em 14/09/2018, de http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/131056/1/9789241564779_eng.pdf.

A.C.F Oliveira, G.M. Farias, W.A. Costa, L.A. Morais Filho, W.C.T.S. Barros. Fatores de Risco para a Ocorrência de Afogamento e a Contribuição da Enfermagem na Ação de Medidas Preventivas. FIEP Bulletin On-line 80: Special Edition, Article II (2010). Retirado em 14/09/2018, de http://www.fiepbulletin.net/index.php/fiepbulletin/article/view/1587.

Observatório de Saúde e Segurança do Trabalho 2012 – 2017. Smartlab de Trabalho Decente. Ministério Público do Trabalho (MPT), Organização Internacional do Trabalho (OIT), Faculdade de Saúde Pública da USP. Retirado em 15/09/2018, de https://observatoriosst.mpt.mp.br/.

Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT). Relatório anual de 2012: a evolução do fenômeno da droga na Europa. Serviço das Publicações da União Europeia, Luxemburgo (2012). Retirado em 16/09/2018, de http://www.emcdda.europa.eu/system/files/publications/973/TDAC12001PTC_.pdf_en.

Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (EMCDDA). Relatório Europeu sobre Drogas 2017: Tendências e evoluções. Serviço das Publicações da União Europeia, Luxemburgo (2017). Retirado em 16/09/2018, de http://www.emcdda.europa.eu/system/files/publications/4541/TDAT17001PTN.pdf_en.

C.L. ENGEL, A.C.C. PARESCHI, A.G.L. DANTAS, D.P. LIMA, D.M.M. ROMÃO, H.F. SANTOS, J.F. BARBOSA, J.L. NUNES, P.H.R. LOIOLA, R.R. SOUSA, S. FABRI, V.L. SOARES, Y.S. RODRIGUES et al. Diagnóstico dos homicídios no Brasil: subsídios para o Pacto Nacional pela Redução de Homicídios. Ministério da Justiça, Secretaria Nacional de Segurança Pública. Brasil (2015). Retirado em 16/09/2018, de http://agenciapatriciagalvao.org.br/wp-content/uploads/2015/10/RELATORIO-HOMICIDIOS-210x297mm-MJ-1.pdf.

G. J. Delaveris, B. Teige, S. Rogde. Non-natural manners of death among users of illicit drugs: Substance findings. Forensic Sci Int 238: 16-21 (2014).

Dragisic, A. Dickov, V. Dickov, V. Mijatovic. Drug Addiction as Risk for Suicide Attempts. Mater Sociomed 27: 188-91 (2015).

United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC). World Drug Report 2015. Division of Policy Analysis and Public Affairs (DPA), United Nations publication Sales No. E.15.XI.6, United States of America (2015). Retirado em 16/09/2018, de https://www.unodc.org/documents/wdr2015/World_Drug_Report_2015.pdf.

M. ASBRIDGE, J.A. HAYDEN, J.L. CARTWRIGHT. Acute cannabis consumption and motor vehicle collision risk: systematic review of observational studies and meta-analysis. BMJ 344: e536 (2012).

E.C. LEBARCH. Investigação do consumo de álcool, cocaína e crack por vítimas de homicídio na região metropolitana de Vitória - ES. Tese de Doutorado em Ciências Fisiológicas, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Espírito Santo (2017).




DOI: https://doi.org/10.15260/rbc.v9i1.325