Isolamento e Preservação de Local de Crime - Procedimento Substancial à Integridade do trabalho Pericial

Andreia Maria Silveira, Adilson Pereira

Resumo


O presente documento trata-se de uma revisão teórica dos parâmetros fáticos, científicos e políticos relativos ao isolamento e a preservação de local do crime, com objetivo de manter a integridade da prova material. Os conceitos citados baseiam-se na legislação vigente, bem como no conhecimento dos doutrinadores da área, de forma a nortear os agentes do Estado com a finalidade de atender à sociedade. A importante necessidade de tornar acessível os conhecimentos técnicos científicos relacionadas à criminalística. Este trabalho reflete, essencialmente, questões relacionadas à segurança jurídica da atividade pericial; aspectos conflitivos dos demais agentes envolvidos nas diligências em locais de crime; o papel da sociedade frente ao crime e aos respectivos reflexos no curso do trabalho pericial. Frente a problemática apresentada, conclui-se pela ação gradativa do conhecimento científico, assim como já acontece na esfera do direito.


Palavras-chave


Preservação de local de crime

Texto completo:

PDF

Referências


E. Rabelo. Curso de criminalística. 1. Ed. Porto Alegre. Sagra Luzzatto (1996).

C. Kehdy. Elementos da criminalística. 1. Ed. São Paulo. Luzes Gráf. Editora Ltda (1968).

Código de Processo Penal. Decreto Lei nº 3.689 (1941).

Código Penal Brasileiro. Decreto Lei nº 2.848 (1940).

Constituição da República Federativa do Brasil (1988).

D. M. Mallmith. Local de crime. Porto Alegre. Instituto Geral de Perícias - Departamento de Criminalística (2007).

L. E. Dorea. Criminalística. 4. Ed. Campinas. Millennium (2010).

A. Espíndula. Perícia Criminal e Cível. 3. Ed. Campinas, Millennium (2009).

J. A. Velho. Locais de Crime. 1. Ed. Campinas. Millennium (2013).

R.G. Garrido. Ciência Forense: da cena do crime ao laboratório de DNA. 1. Ed. Rio de Janeiro. Projeto Cultural (2014).

G. Da S. Tavares Jr. A Papiloscopia nos locais de Crime: Dactiloscopia, quiroscopia, podoscopia. São Paulo. Ícone (1991).

G.Porto. Manual de Criminalística. 2. Ed. São Paulo. Sugestões Literárias (1969).

E. P. Bittner. Aspectos do Trabalho Policial. São Paulo. Editora Universidade de São Paulo (2003).

L. G. Marinoni. Prova. São Paulo. Revista dos tribunais (2009).

F. B. De Oliveira. Desafios da Gestão Pública de Segurança. Rio de Janeiro. Editora FGV (2009).

T. M. Garcia / J. C. Régis. Local do crime: a preservação e o isolamento e seus reflexos na persecução criminal. Retirado em 23/10/2018, de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/U_Fato_Direito/article/view/3595

T. V. Trufini. Preservando Local de Crime, 2017. Retirado em 16/11/2018, de https://jus.com.br/artigos/56384/preservando-o-local-de-crime/

J. De C. Sores. Genética Forense: Local de Crime. 13ª Edição nº 013 Vol.01. Goiânia. Revista Especialize On-line IPOG. Julho (2017). Retirado em 17/11/2018, de https://www.ipog.edu.br/download-arquivo-site.sp?arquivo=joilson-de-carvalho-soares-750117.pdf

P. F. Ceccaldi. A Criminalística. Europa-América (1962).

Debates. Segurança Pública como tarefa do Estado e da Sociedade. Fundação Konrad-Adenauer-Stifung. E.V.

Portaria nº 82, de 16 de julho de 2014. Ministério Da Justiça Secretaria Nacional De Segurança Pública. Retirado em 18/12/2018, de http://www.lex.com.br/legis_25740023_portaria_n_82_de_16_de_julho_de_2014

Projeto Segurança Pública Para o Brasil. Retirado em 19/12/2018, de http://www.dhnet.org.br/redebrasil/executivo/nacional/anexos/pnsp.pdf

F. M. Merotti. Avaliação do conhecimento dos policiais militares recém-formados em relação à preservação do local de crime. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba. SP, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v9i2.355

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.