Levantamento de conservação da vegetação adjacente a cursos d’água dentro da perícia ambiental: o uso de ferramentas de geotecnologia

Andrezza Beatriz de Oliveira, Vinícius Patriota dos Santos, Mariangela Lurdes de Borba

Resumo


A Lei n° 12.651 de 25 de maio de 2012 (Código Florestal) estabelece normas gerais de proteção ao meio ambiente envolvendo a vegetação nativa, cuja materialização da desobediência é dada por perícias ambientais, que utilizam, dentre outras, ferramentas de geotecnologia para coleta, processamento, análise e disponibilização de informações geográficas. Com o objetivo de constatar se a técnica descrita por Aragão e Santos (2014) é suficiente para realizar perícia ambiental, foi realizada análise da conservação da vegetação ripária em rios brasileiros. A metodologia de sensoriamento remoto, utilizando o aplicativo Google Earth®, foi aplicada em trechos não urbanos e afastados das nascentes e fozes de dez rios selecionados aleatoriamente em um Estado de cada região brasileira. A análise do grau de conservação da vegetação adjacente aos rios indicou que, em 80% dos casos, foram verificados danos à Área de Preservação Permanente definida pelo Código Florestal. Concluiu-se que, embora tenha sido detectada alta incidência de infrações à legislação vigente, a metodologia utilizada é útil para identificar e calcular as áreas de desmatamento, não permitindo uma análise completa do dano, por não possibilitar a sua valoração.


Palavras-chave


Geotecnologia; Sensoriamento Remoto; Perícia Ambiental; Impactos Ambientais

Texto completo:

PDF

Referências


V. W. Botteon. Aplicabilidade de ferramentas de geotecnologia para estudos e perícias ambientais. Rev Bras Crim 5: 7-13 (2016).

N.S.H. Tancredi; J.R. Almeida; A.J.T. Guerra; M.C.O. Jorge. Uso de Tecnologias em Laudos Periciais Ambientais: Estudo de Caso no Município de Jacundá, Pará. Rev Geograf 7: 1-19 (2012).

R.A.L. Alves; D. Russo; M.M. Magliano; M. L. B. Blum. Fundamentos de geoprocessamento aplicado a perícia. In: D. Tochetto. Perícia ambiental criminal. Campinas (2014) 239-262.

F. M. Aragão; F. A. S. Araújo. Sensoriamento remoto na perícia ambiental do Ministério Público do Estado do Piauí: Estudo de Caso. Eng Sci 2: 7-28 (2014).

Casa Civil do Brasil. Lei n° 12651, de 25 de maio de 2012: Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. DOU de 28 de maio de 2012.

T.C.C. Costa; M. A. J. Oliveira; L. J. O. Accioly; F. H. B. B. Silva. Análise da degradação da caatinga no núcleo de desertificação do Seridó (RN/PB). Rev Bras Eng Agr Amb 13: 961–974 (2009).

C.B. Barbieri; G.C. Geiser. Perícia Ambiental. In: J.A. Velho; G. C. Geiser; A. Espindula. Ciências Forenses – Uma Introdução às Principais Áreas da Criminalística Moderna. Campinas (2017) 291-305.

M. S. G. Vieira; R. L. Ferreira; F. N. Olivati. Utilização de Bioindicadores como Instrumento de Perícia Ambiental. Caderno Meio Ambiente e Sustentabilidade 5: 36-49 (2014).




DOI: https://doi.org/10.15260/rbc.v10i1.459