Vítimas de armas de projéteis múltiplos: análise de 56 necropsias forenses

Polyanna Helena Coelho Bordoni, Giovanna Carvalho Silva, Leonardo Santos Bordoni

Resumo


Lesões por projéteis de armas de fogo (AF) apresentam grande importância criminalística e médico-legal. O Brasil é o país com maior número absoluto de mortes violentas e a maioria dos homicídios nacionais envolve o uso de AF. A munição típica de uma AF de projéteis múltiplos (PM) dispara um número variável de projéteis, o que ocasiona particularidades nas lesões observadas. Este trabalho objetivou analisar os casos fatais decorrentes de AF de PM necropsiados no Instituto Médico Legal André Roquette entre 2006 e 2012. Foi realizado um estudo transversal com 56 laudos de vítimas fatais de lesões produzidas por PM. Predominou o sexo masculino (98,2%), a faixa etária de 18 a 29 anos (44,6%), solteiros (83,9%), os pardos (69,6%) e naturais de Belo Horizonte. A idade média foi de 28,3 anos. A suspeita de homicídio representou a quase totalidade dos casos (96,4%), com dois casos de suicídio e nenhum de acidente. Houve predominância de vias púbicas como locais de procedência dos periciados (66,1%). A média de lesões de entrada de PM foi de 1,5. Houve lesões encefálicas em 62,5% dos casos, pulmonares em 48,2% e cardíacas em 26,8%. A média de projéteis recuperados foi de 5,7; foram encontradas buchas em 33 casos. Quase metade dos periciados havia consumido álcool etílico previamente à morte e a maioria das pesquisas toxicológicas foi positiva (cocaína e/ou maconha). Estes dados contribuem para o melhor delineamento do perfil epidemiológico das vítimas fatais de PM em nosso meio, podendo contribuir para o melhor conhecimento destas ocorrências.


Palavras-chave


Projéteis múltiplos. Espingarda. Lesões por tiro. Necropsia. Medicina Legal.

Texto completo:

PDF

Referências


H.C. Hercules. Lesões e Morte por Instrumentos Pérfuro-contundentes. Armas de Fogo. In: H.C. Hercules Medicina Legal – Texto e Atlas. 2ªed. Editora Atheneu: São Paulo, Brasil (2014) 251-284.

D. Dezendorf. Wounds from Shotguns. In: V.J.M. Dimaio. Gunshot Wounds – Practical Aspects of Firearms, Ballistics and Forensic Techniquedrths. CRC Press, Boca Raton (2016) 179-224.

D. Cerqueira, S. Bueno (Coordenadores). Atlas da Violência 2019 – Homicídios por Armas de Fogo no Brasil. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019.

P.M. Rhee, E.E. Moore, B. Joseph, A. Tang, V. Pandit, G. Vercruysse. Gunshot wounds: A review of ballistics, bullets, weapons, and myths. J Trauma Acute Care Surg. 80(6): 853-67 (2016).

W.U. Spitz. Injury by gunfire – Part 2. Shotgun Wounds. In: W.U. Spitz (Ed.). Spitz and Fisher’s Medicolegal Investigation of Death – Guidelines for the Application of Pathology to Crime Investigation. 4ªed. Springfield: Charles C. Thomas, United States of America 706-746 (2006).

Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC). Informativo técnico Nº 38. Cartuchos para armas longas não raiadas. Janeiro de 2012. Disponível em: https://www.cbc.com.br/wp-content/uploads/2018/08/IT-38-Cartuchos-para-Armas-Longas-n%C3%A3o-raiadas-1.pdf, acesso em 01/04/2020.

B.P. Singh, R.P. Singh. Shotgun shooting in northern India – a review (1980-1999). Forensic Science International 150: 103-111 (2005).

M. Schellenberg, K. Inaba, P. Heindel, M.J. Forestiere, D. Clark, K. Matsushima, L. Lam, D. Demetriades. The diagnostic dilemma of shotgun injuries. Eur J Trauma Emerg Surg (2019).

R.R.G.S. Amararatne, M.A. Vidanapathirana. Crime Scene Fabricated as Suicide. Journal of Clinical and Diagnostic Research 11(2): HD01-HD03 (2017).

S.N. Kunz. An unusual exit wound as a result of a shotgun suicide to the head. Forensic Science International 275: e1-e5 (2017).

H. Rupprecht, K. Gaab. Large thoracic defect due to shotgun violation – surgical emergency management. GMS Interdisciplinary Plastic and Reconstructive Surgery 6: 1–6 (2017).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estimativas da população residente nas cidades brasileiras. Retirado em 01/04/2020, de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/belo-horizonte/panorama.

A.P. Ribeiro, E.R. de Souza, C.A.M. de Sousa. Lesões provocadas por armas de fogo atendidas em serviços de urgência e emergência brasileiros. Ciência & Saúde Coletiva 22(9):2851-2860 (2017).

R.A. Santucci, Y. Chang. Ballistics for physicians: myths about wound ballistics and gunshot injuries. The Journal of Urology 171:1408–1414 (2004).

A.L. Cavalcante (Editor). Perfil epidemiológico das tentativas e óbitos por suicídio no Brasil e a rede de atenção à saúde. Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde − Ministério da Saúde. 48 (30): 1-14 (2017).

P.S. Nestadt, K. MacKrell, A.D. McCourt, D.R. Fowler, C.K. Crifasi. Prevalence of long gun use in Maryland firearm suicides. Injury Epidemiology 7(4):1-10 (2020).

L.S. Bordoni, A.F.D. Medeiros, A.P.N. da Silva, A.G. Crivellaro, L.O. Grossi, M.P. Trindade, P.H.C. Bordoni. Suicídio atípico com dois ou mais disparos efetivos de arma de fogo: casuística do Instituto Médico Legal de Belo Horizonte e implicações periciais. Rev. Bras. Crimin. 6(2): 43-51 (2017).

I. Çakir, G. Çetin, H.B. Uner, E. Albek. Shot range estimation based on pellet distribution in shots with a pump-action shotgun. Forensic Science International 132: 211–215 (2003).

P.K. Stefanopoulos, G. Mikros, D.E. Pinialidis, I.N. Oikonomakis, N. E. Tsiatis, B. Janzon. Wound ballistics of military rifle bullets: An update on controversial issues and associated misconceptions. Journal of Trauma and Acute Care Surgery 87(3):690–698 (2019).

S. Darke. The toxicology of homicide offenders and victims: A review. Drug Alcohol Rev. 29:202-15 (2010).

W.U. Spitz. Forensic aspects of alcohol. In: W.U. Spitz (Ed.). Spitz and Fisher’s Medicolegal Investigation of Death – Guidelines for the Application of Pathology to Crime Investigation. 4ªed. Springfield: Charles C. Thomas, United States of America 1218-29 (2006).

M.C.S. Minayo, S.F. Deslandes. A complexidade das relações entre drogas, álcool e violência. Cad Saúde Públ. 14(1):35-42 (1998).

E.F. Drumond, H.N.F. Souza, T.A. Hang-Costa. Homicídios, álcool e drogas em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 2000-2009. Epidemiol. Serv. Saúde 24(4): 607-616 (2015).

J.B. Kuhns, D.B. Wilson, E.R. Maguire, S.A. Ainsworth, T.A. Clodfelter. A meta-analysis of marijuana, cocaine and opiate toxicology study findings among homicide victims. Addiction 104(7):1122-31 (2009).




DOI: https://doi.org/10.15260/rbc.v10i1.474