Análise médico-legal de mortes violentas em unidades prisionais do Espírito Santo

Talita Lima Castro-Espicalsky, Romildo Rabbi, Kátia Souza Carvalho, Robson Dettmann Jarske, Luiz Francesquini Júnior, Eduardo Daruge Júnior, Ana Claudia Rossi

Resumo


As unidades prisionais existentes no Brasil exibem uma situação caótica, com sistemas de segurança precários, condições de desestruturação e superlotação e extrema insegurança, que favorece a ocorrência de altos índices de mortes no interior das unidades prisionais. O objetivo do presente trabalho foi analisar as mortes violentas ocorridas no interior de presídios e discriminar as causas médicas de morte mais frequentes, verificar características das mortes e identificar o perfil demográfico das vítimas quanto a sexo e idade, além de discutir aspectos médicos legais inerentes ao tema. O estudo retrospectivo foi realizado nos arquivos do Instituto Médico Legal de Vitória, cidade do sudeste do Brasil, por meio de um levantamento nos laudos referentes a necropsias realizadas em cadáveres procedentes de estabelecimentos penais do estado, examinados num período de cinco anos consecutivos, sem distinção de sexo. A análise dos dados permitiu identificar algumas características particulares, tais como maior número de mortes entre presos do sexo masculino, de idade jovem. As mortes por traumatismo crânio-encefálico e asfixia corresponderam à maioria dos casos e observou-se um alto percentual de mortes associadas a meios insidiosos ou cruéis. Uma diligente perícia forense e a consequente produção de laudos periciais consistentes e esmerados são essenciais para se produzir uma investigação criminal imparcial e eficaz, alcançando com isso a elucidação dos fatos e a justiça devida em casos como esses.

Palavras-chave


Medicina Legal; Prisões; Violência; Morte; Causas de Morte.

Texto completo:

PDF

Referências


H.B. Oliveira; J.C. Cardoso. Tuberculose no sistema prisional de Campinas, São Paulo, Brasil. Rev. Panam. Salud Publica 15: 194–199 (2004). https://doi.org/10.1590/s1020-49892004000300008.

R. Fernandes; A. Hirdes. A percepção dos apenados a respeito do cárcere e da privação da liberdade. R Enferm UERJ 14: 18–24 (2006).

A. Posada; M. Díaz-Tremarias. Las cárceles y población reclusa en Venezuela. Rev. Española Sanid. Penit. 10: 22–27 (2008). https://doi.org/10.4321/s1575-06202008000100004.

F.E. Salla. As rebeliões nas prisões: novos significados a partir da experiência brasileira. Sociologias 8: 274–307 (2006).

M.L. Carvalho; J.G. Valente; S.G. Assis; A.G.G. Vasconcelos. Perfil dos internos no sistema prisional do Rio de Janeiro: Especificidades de gênero no processo de exclusão social. Cienc. e Saude Coletiva 11: 461–471 (2006). https://doi.org/10.1590/s1413-81232006000200023.

G.M. Tavares; P.R.M. Menandro. Atestado de exclusão com firma reconhecida: o sofrimento do presidiário brasileiro. Psicol. Ciência e Profissão 24: 86–99 (2004). https://doi.org/10.1590/s1414-98932004000200010.

W.L. Wobeser; J. Datema; B. Bechard; P. Ford. Causes of death among people in custody in Ontario, 1990-1999. Cmaj 167: 1109–1113 (2002).

E.S. Sailas; B. Feodoroff; N.C. Lindberg; M.E. Virkkunen; R. Sund; K. Wahlbeck. The mortality of young offenders sentenced to prison and its association with psychiatric disorders: A register study. Eur. J. Public Health 16: 193–197 (2006). https://doi.org/10.1093/eurpub/cki169.

A. Kariminia; T.G. Butler; S.P. Corben; M.H. Levy; L. Grant; J.M. Kaldor; M.G. Law. Extreme cause-specific mortality in a cohort of adult prisoners - 1988 to 2002: A data-linkage study. Int. J. Epidemiol. 36: 310–316 (2007). https://doi.org/10.1093/ije/dyl225.

D.K. Molina; V. Dimaio; R. Cave. Gunshot wounds: A review of firearm type, range, and location as pertaining to manner of death. Am. J. Forensic Med. Pathol. 34: 366–371 (2013). https://doi.org/10.1097/PAF.0000000000000065.

A.A. Amankwaa. Causes of Death in Florida Prisons: The Dominance of AIDS. Am. J. Public Health 85: 1710–1711 (1995). https://doi.org/10.1016/s0161-6420(92)38521-5.

P. Southall; J. Grant; D. Fowler; S. Scott. Police custody deaths in Maryland, USA: An examination of 45 cases. J. Forensic Leg. Med. 15: 227–230 (2008). https://doi.org/10.1016/j.jflm.2007.10.005.

T. Kolker. Os profissionais da saúde e a tortura nas prisões. Saúde e Direitos Humanos 2: 15–24 (2005).

N. Davis. Death in custody. J. R. Soc. Med. 92: 611 (1999). https://doi.org/10.1177/014107689909201201.

M.F. Galvão. A perícia médico legal como instrumento de prevenção e punição da tortura. Monografia de Graduação, Faculdade de Direito, Universidade de Brasília (2006).

L. Desinan; G.M. Mazzolo. Gunshot fatalities: Suicide, homicide or accident? A series of 48 cases. Forensic Sci. Int. 147: S37–S40 (2005). https://doi.org/10.1016/j.forsciint.2004.09.089.

G. Tavares; P.R.M. Menandro. Trajetórias de vida de presidiários e possíveis sentidos para a prisão. Rev. Psicol. Polít 8: 121–138 (2008).

G.V. de França. A perícia em casos de morte sob custódia. Derecho y Cambio Soc. 13: 1–14 (2008).

Y.V. Lemos; L.D.O. Couto. Tortura, prova pericial e quesitos. BJFA&LM 1: 95–107 (2020).

S. Kim; A. Ting; M. Puisis; S. Rodriguez; R. Benson; C. Mennella; F. Davis. Deaths in the Cook County Jail: 10-Year report, 1995-2004. J. Urban Heal. 84: 70–84 (2007). https://doi.org/10.1007/s11524-006-9115-9.

M. Neri. Retrato do Presidiário Paulista. FGV Cent. Políticas Sociais (2006). Retirado em 16/08/2019, de http://www.fgv.br/cps/index.asp.




DOI: https://doi.org/10.15260/rbc.v10i1.488