A importância da craniometria na criminalística: revisão de literatura

Fernanda Bordignon Nunes, Pablo Castro Gonçalves

Resumo


A utilização dos estudos cranianos na criminalística tem grande importância, principalmente no que concerne aos propósitos de identificação, podendo ser utilizada também na determinação das causas da morte. A identificação de vítimas e autores é parte fundamental, e na maioria das vezes principal objetivo, da investigação de um crime. O propósito desta revisão é destacar a importância e as principais aplicações da utilização da craniometria nas ciências criminais. Para tal, foi realizado levantamento bibliográfico acerca da história da craniometria forense, desde os primórdios de sua utilização na chamada Antropologia Criminal de Lombroso, até seu papel nas investigações atuais. Apesar das ferramentas de estudos genéticos e de biologia molecular serem muito utilizadas na atualidade, o uso desta linha de abordagem se mostra ineficaz, dispendiosa ou financeiramente desvantajosa em casos onde há muita degradação do material biológico, como incêndios e exumações. Nestes casos, o uso das análises de crânio se mostra importante, podendo ser a principal fonte de dados para elucidação de um crime. Concluindo, procura-se estabelecer a importância dos estudos cranianos, como alternativa ou complemento a outras técnicas mais comumente utilizadas para os fins de identificação e investigação criminal, ressaltando-se a necessidade de investimentos na área no Brasil.


Palavras-chave


Craniometria; Cranioscopia; Criminalística; Antropologia Forense; Identificação

Texto completo:

PDF

Referências


T. W. Fenton; V. H. Stefan; L. A. Wood et al. Symmetrical fracturing of the skull from midline contact gunshot wounds: reconstruction of individual death histories from skeletonized human remains. Journal of Forensic Sciences 50(2): 1-12, 2005.

R. Cameriere; L. Ferrante; D. Mirtella et al. Frontal sinuses for identification: quality of classifications, possible error and potential corrections. Journal of Forensic Sciences 50(4): 770-773, 2005.

T. Solarino; K. Reckentwald; A.M. Burroughs-Beckham. An unusual case of child head injury by coat hanger. Journal of Forensic Sciences 53(5): 1188-1190, 2008.

V.G. Naikmasur; R. Shrivastava; S. Mutalik. Determination of sex in South Indians and immigrant Tibetans from cephalometric analysis and discriminant functions. Forensic Science International 197(1-3): 122.e1–122.e6, 2010.

S.J. Gould. A falsa medida do homem. 2ª Ed. Martins Fontes, Brasil, 109-146, 1999.

J.P. Vanrell; M.L.B. Campos. Identificação craniométrica. Revista virtual da AcBO Março de 2010. Retirado em 7/02/2012, de www.acbo.org.br/revista/biblioteca/identificacao.

C.B. Pereira; M.C.de M. Alvim. Manual para estudos craniométricos e cranioscópicos. Imprensa Universitária, Brasil, 1979.

W.W. Howells. Howells’ craniometric data on the internet. American Journal of Physical Anthropology, USA, v. 101, p. 441-442, June, 1996.

M. Vaz; F.S. Benfica. The experience of the forensic anthropology of the medical examiner´s office in Porto Alegre, Brazil. Forensic Science International, Ireland. 179: 45–49, 2008.

L. Francesquini jr. Identificação do sexo a partir de medidas da base do crânio e sua importância pericial. Tese de Doutorado. Faculdade de Odontologia, UNICAMP, 2001.

T.A. Saliba. Determinação do sexo através da área formada pelo triângulo da face superior. Tese de Doutorado. Faculdade de Odontologia, UNICAMP, 2001.

L.F. Jobim; L.R. da S. Costa; M. da SILVA. Identificação humana: identificação médico-legal, perícias odontolegais, identificação humana pelo DNA. Millenium editora, Brasil, 2012.

R.F.H. Melani. Contribuição para o estudo dos ângulos craniométricos de Rivet, Jaquard, Cloquet e Welquer através de análise cefalométrica em brasileiros. Tese de Mestrado. Faculdade de Odontologia, UNICAMP, 1995.

C.E. Palhares. Forensic identification in flight AF 447 disaster victims. Forensic Odontology proceedings 2002-2011: 11, 2011.

M.D. Gojanovic; D. Sutlovic. Skeletal remains from World War II mass grave: from Discovery to identification. Croatian Medical Journal 48(4): 520-527, 2007.

I. Boric; J. Ljubkovic; D. Sutlovic. Discovering the 60 years old secret: identification of the World War II mass grave victims of the island of Daksa near Dubrovnik, Croatia. Croatian Medical Journal 52(3): 327–335, 2011.

L.L. Koleskinov; G.A. Pashinyan; S.S. Abramov. Anatomical appraisal of the skulls and teeth associated with the family of Tsar Nicolay Romanov. The Anatomical Record 265:15–32, 2001.

S. Bode-Jänisch; E. Bültman; H. Hartmann et al. Serious head injury in young children: Birth trauma versus non-accidental head injury. Forensic Science International 214: e34-e38, 2011.

R.F. da Silva; N.G. Benta; E. Daruge jr. et al. Importância pericial dos registros odontológicos decorrentes de tratamento protético. Revista Odonto. 16(32): 137-143, 2008.

M.A.J. Marques. Bitemarks in domestic violence cases na epidemiologyc study in Brazil. Forensic Odontology proceedings 2002-2011: 01, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v3i1.69

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.