Simulação, dissimulação e exagero: desafios da perícia médica em ortopedia e traumatologia

Carlos Henrique Durão, Francisco Lucas

Resumo


A relação médico doente é uma interação que envolve confiança e responsabilidade. É caracterizada por compromissos e deveres dos intervenientes, ambos motivados na sincera busca terapêutica. O médico, enquanto assistencialista, norteia-se nos sinais e sintomas descritos pelo doente no estabelecimento de um diagnóstico para a melhor terapêutica, onde os conflitos de interesse, são a exceção. Já o médico enquanto perito, pauta o seu trabalho na perícia médica, na busca do diagnóstico preciso, na valoração das lesões e sequelas, tendo como norma o conflito de interesse, onde o litígio é a regra. É no exercício médico-legal de qualquer especialidade, que o médico se confronta com a simulação, a dissimulação ou tão simplesmente o exagero. É necessário conhecer muito bem o estado da arte da simulação, para que o médico enquanto perito, a possa reconhecer, não se permitindo influenciar no exercício da sua prática pericial.


Palavras-chave


Simulação; Sinistros; Acidentes de Trabalho; Perícia Médica.

Texto completo:

PDF

Referências


P.A. Grimal. Mitologia Grega. Tradução de Victor Jabouille, Lisboa: Publicações Europa-América. 1975.

J. Santos. Simulação e dissimulação em clínica forense. in: D.N. Vieira. Aspectos práticos da avaliação do dano corporal em direito civil. Biblioteca Seguros. 2008.

H. Gomes. Medicina Legal. Ed. Freitas Bastos. 16th. Rio de Janeiro. 1974.

A. Almeida Júnior. Lições de Medicina Legal. 22th. Ed.Nacional. 1998.

G. Calabuig. Medicina Legal y Toxicologia. 6th. Ed. Masson. Barcelona. 2005.

J. Aso Escario. Simulación en patología espinal. Reumatol Clin.2014.

DSM-IV-T.R. Manual diagnóstico y estadístico de los trastornos mentales. Barcelona: Masson, SA.

International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems. 10th Revision.

H.C. Hércules. Medicina Legal. Texto e Atlas. 2th. Ed. Atheneu, Rio de Janeiro. 2014.

G.V. França. Medicina Legal. 9th.. Ed. Guanabara Koogan, 2011.

A. Peixoto. Psico-patologia forense. Livraria Francisco Alves. Rio de Janeiro. 1916.

C. Durão, R. Pinto, D. Nuno. O papel do ortopedista nos acidentes de trabalho. Rev. Port. Ortop. Traum. 20(3), 295-302, 2012.

R. Rogers, R.M. Bagby, S.E. Dickens. SIRS: structured interview of reported symp- toms. Professional manual. Odessa, FL: Psychological Assessment Resources, Inc.; 1992.

T.Y. Lin, M.J. Teixeira, M.A. Romano, J.M.D.A. Greve, H.S. Kaziyama. Avaliação funcional do doente com dor crônica. Rev. Med. 80(1), 443-73, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v4i1.86

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.