Vestígios Psicológicos ou Comportamentais na Cena de Crime: uma Evidência Subutilizada no Arcabouço Pericial Brasileiro

Cássio Thyone Almeida Rosa

Resumo


O presente artigo analisa um tipo particular de vestígio verificado nas cenas de crime: o vestígio psicológico ou comportamental, considerado como um vestígio muitas vezes negligenciado em inúmeros exames de locais de crime. Na introdução do artigo, uma classificação geral de vestígios é apresentada e dois conceitos são confrontados, o de vestígio material e o de vestígio imaterial. Na sequência, através de uma revisão que engloba diferentes abordagens a partir de consagrados autores, os vestígios são contextualizados e o vestígio comportamental é detalhado em relação a sua identificação, natureza e aplicações forenses. A importância desse tipo de vestígio é então demonstrada. Finalizando o artigo, são apresentados cinco casos nos quais os vestígios psicológicos podem ser identificados e discutidos, sendo três casos de homicídio e dois de suicídio. A conclusão do artigo reforça a necessidade de que peritos se prepararem para melhor explorar esse tipo de vestígio durante os exames de local de crime.


Palavras-chave


Vestígios psicológicos; Vestígios comportamentais; Local de Crime.

Texto completo:

PDF

Referências


E. Anuschat. Kriminalistische Spurenkunde. Berlim: Kameradschaft, 1933.

K. Zbinden. Criminalística. Lisboa: Investigação Criminal, 1957.

P.M. Castro. Vestígios no locus delicti. Blog Segurança e Ciências Forenses, 2014. Disponível em . Acesso em 20 março 2015.

R.F. Aragão. Vestígio Material e Imprecisão - Criminalística Estática, Dinâmica e Pós-moderna, IV Seminário Brasileiro de Balística Forense e Perícias de Crimes Contra a Vida, Recife, PE, 2006.

J.E. Soto Castro. La Evidencia Psicológica. Blog Criminología y Justicia, 2011. Disponível em . Acesso em 20 março 2015.

J. Braz. Investigação Criminal: A Organização, o Método e a Prova. Os Desafios da Nova Criminalidade, 3ª ed. Coimbra, Edições Almedina S.A, 2013.

C.T.A. Rosa. Locais de Crimes Contra a Pessoa: Recomendações Técnicas para a Padronização de Procedimentos e Metodologias. In: D. Tocchetto, A. Espindula (organizadores). Criminalística: Procedimentos e Metodologias. 3ª ed. Campinas, Millennium Editora, p. 1-84, 2015.

T.G. Miranda. Autópsia Psicológica: compreendendo casos de suicídio e o impacto da perda. 2014. 158 f. Tese (Mestrado em Psicologia) - Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

D.C. Clark, S.L. Horton-Deutsch. Assessment in absentia: The value of the psychological autopsy method for studying antecedents of suicide and predicting future suicides. In Maris, R. W., Berman, A. L., Maltsberger, J. T., & Yufit, R. I. (Eds.). Assessment and prediction of suicide. New York: The Guilford Press, p. 144-182, 1992.

E.S. Shneidman. Comment: The psychological autopsy. American Psychologist 1(39), 75-76, 1994.

M.J.R. Rodrigues. Perfis Criminais: Validade de Uma Técnica Forense. 2010. 58 f. Tese (Mestrado em Medicina Legal) - Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar da Universidade do Porto. Porto, 2010.

T. Konvalina-Simas. Profiling Criminal: Introdução à Análise Comportamental no Contexto Investigativo. Lisboa: Reis dos Livros, 2012.

N. Ebsike. The Use of Offender Profiling Evidence in Criminal Cases, 2007. 336 f. Tese (Doutorado em Ciências Jurídicas) - Golden Gate University School of Law. São Francisco, Califórnia, 2007.

R. Holmes, M. Ronald, T.S. Holmes. Profiling Violent Crimes: An Investigative Tool. 2ª ed. Thousand Oaks, USA: Sage Publications, 1996.

V.J. Geberth. The Signature aspect in criminal investigations. Law and Order Magazine 43(11), 45-49, 1995.

V. J. Geberth. Practical Homicide Investigacion: Tactcs, Procedures, and Forensic Techniques, 4ª ed. 2006. Boca Raton, USA: CRC Press/Taylor and Francis, 2006.

A. Espíndula. Perícia Criminal e Cível. 4ª ed. Campinas: Millennium Editora, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.15260/rbc.v4i3.93

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.